Categorias
academia livro

Lista: três listas de Filosofia

Haverá algo mais metalinguístico que comparar listas de fundamentos filosóficos? Suspendo meu juízo e vou a elas:

1 – Gödel tem fé na razão

Quando manifestei interesse em resumir pontos de minha pesquisa em filosofemas, meu orientador no mestrado apresentou-me uma lista bem assertiva, resumindo o pensamento de Kurt Gödel.

Frequentador do Círculo de Viena, Gödel viu nascer e decair como paradigma o positivismo lógico. Mesmo assim, lá por 1960, segundo os biógrafos que invocam a lista abaixo, ele se recusa a ceder.

O autor em primeiro lugar reafirma algo que, desde meados do século XX, vinha sendo desconsiderado como fundamento: a razão. Em rápida tradução :

  1. O mundo é racional. 

  2. A razão humana pode, em princípio, ser desenvolvida mais elevadamente (por meio de certas técnicas).
  3. Há métodos sistemáticos para a solução de todos os problemas (e também arte etc.)
  4. Há outros mundos e seres racionais de um tipo diferente e mais elevado.
  5. O mundo em que vivemos não é o único em que viveremos ou já vivemos.
  6. Há incomparavelmente mais conhecíveis a priori do que se sabe atualmente.
  7. O desenvolvimento do pensamento humano desde o Renascimento é inteiramente inteligível.
  8. A razão na humanidade vai se desenvolver em todas as direções.
  9. Os direitos formais constituem uma ciência real.
  10. O materialismo é falso.
  11. Os entes superiores estão conectados aos outros por analogia, não por composição.
  12. Conceitos têm uma existência objetiva.
  13. Há uma Filosofia e Teologia científica (exata), que lida com os conceitos da mais alta abstração; isso é também altamente frutífero para a Ciência.
  14. Religiosos são, na maioria dos casos, maus _mas a religião não é.

(de A Logical Lourney: From Gödel to Philosophy Cambridge: MIT Press, 1996, pág. 316.)

 

Seria tão bom se vivêssemos um idealismo racionalista! Mas essa não é a prática contemporânea. Na prática, um pluralismo errante vira-se melhor. Infelizmente, isso tem servido para muita gente sem coragem omitir seu apoio ou combate a listas como essas.

É claro que o trabalho da filosofia é mais comumente explorar chatamente um tema do que reduzi-lo a máximas em uma lista. Mas é divertido criar frases que possam ser citadas.

Uma lista extraordinária consegue explorar filosoficamente temas cruciais do mundo enchendo todo um livro de aforismos numerados:

2 – O Tractatus Logico-Philosophicus subiu no telhado

Gödel parece que gostaria de ter desenvolvido sua lista à moda de Ludwig Wittgenstein (1889-1951):

Tradução de Luiz Henrique Lopes dos Santos1 O mundo é tudo o que é o caso.

1.1 O mundo é a totalidade dos fatos, não das coisas.

1.11 O mundo é determinado pelos fatos e por serem todos os fatos.

1.12 Pois a totalidade dos fatos determina o que é o caso e também tudo o que não é o caso.

1.13 Os fatos no espaço lógico são o mundo.

[…]

6.54 Minhas proposições elucidam dessa maneira: quem me entende acaba por reconhecê-las como contra-sensos, após ter escalado através delas ― por elas ― para além delas. (Deve, por assim dizer, jogar fora a escada após ter subido por ela.)

Deve sobrepujar essas proposições, e então verá o mundo corretamente.

7 Sobre aquilo de que não se pode falar, deve-se calar.

A lista de Wittgenstein é um livro e é um manifesto. A ambição de representar o mundo completamente com a lógica depois arrefeceu; o jogo assumiu outras regras.

3 – Ferramentas para fazer mundos

E vem Nelson Goodman tentando combinar, de uma maneira funcional, tantas lógicas do século XX. Agora quem pinça a lista sou eu, de Ways of Worldmaking, no capítulo 1, seção 4: “Ways of Worldmaking”.

Para entender as relações entre os diversos sistemas filosóficos, linguísticos etc. Goodman sugere um rol de ferramentas para a “construção” de mundos.

Traduzo apenas os títulos dos itens, com a introdução da seção:

“Sem pretender instruir os deuses ou outros criadores de mundo, ou tentar qualquer pesquisa abrangente ou sistemática, quero ilustrar e comentar alguns dos processos que estão na feitura de mundos. Com efeito estou preocupado mais com certas relações entre mundos do que como ou se mundos particulares são feitos de outros.

a) Composição e Decomposição

b) Pesagem

c) Ordenamento

d) Apagamento e Suplementação

e) Deformação”

Então é isso. É só pegar seu punhado de barro e mão à obra, há mundos a construir.

2 replies on “Lista: três listas de Filosofia”

Goedel ou Gödel é considerado o maior lógico do século XX. Sua fé no realismo platônico, ancorado também em Leibniz e Husserll possui aspectos muito interessantes. Ainda que o seu pensamento seja realmente contrário ao de W., talvez não possamos dizer o mesmo em relação a Goodman. Ainda mais senos encaminharmos para a abordagem de Goodman, passando pelo pensamento de Putman. Estas e outras coisas talvez demandem mais trabalho de pensamento (pesquisa).

Olá, professor,

sou Platão com Walter Benjamin, Huizinga com Goodman, mas consciente eticamente de que existimos na história, portanto existencialismo político (via fenomenologia inclusive)!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s