Categorias
jogo livro

(Saldão) Bienal do Livro

Dá-lhe, jogo eletrônico! Esses livros digitais andam mesmo deixando a desejar.

Visitei a Bienal do Livro do Rio de Janeiro na segunda-feira, 5 de setembro, disposto a alternar as personas de escritor, repórter e editor, dependendo de quem eu encontrasse. Mas só na abertura, na semana anterior, adiantaria fazer pose de profissional. Em todos os outros dias, os estandes estão interessados mesmo em vender lançamentos e, principalmente, encalhes.

Explico melhor: interessado no tema “livro digital”, tão logo abriu-se o evento corri ao espaço “Bienal Digital”, tencionando aproveitar que a criançada das caravanas escolares ainda não lotava essa seção. A “Bienal Digital” era na verdade um mostruário de computadores em forma de tablete vendidos por uma grande loja da Internet.

Dos quatro modelos disponíveis apenas um tinha sido carregado com um arquivo no formato que se costuma chamar de livro digital, isto é, que a gente lê em tela cheia no tabletinho, passa a página deslizando o dedo pela tela sensível etc. O demonstrador de outro modelo deu um jeitinho e mostrou-me um arquivo em formato “pdf”, que estamos acostumados a ver em qualquer computador, como se fosse novidade (não deixava de ser livro em formato eletrônico, é verdade). Os outros aparelhos estavam lá para a garotada jogar e acessar e-mail.

Não que eu não tenha escolhido um bom dia para profissionais: o colóquio internacional “E-books e a democratização do acesso” começou nesse dia, com uma interessante confirmação de alguns prognósticos que traumatizam qualquer um com mais de vinte anos. “Diminui progressivamente o apego ao livro de papel”, constata a pesquisa da empresa alemã GfK; “nós bibliotecários achamos um bom negócio pagar o mesmo preço por um livro virtual que, como o físico, não pode ser copiado e só pode ser emprestado a uma pessoa por vez”, diz Daniel Frank, diretor da Biblioteca Pública de Colônia; “precisamos ver se estamos utilizando bem as funções do computador nessa conversão”, questiona a pesquisadora francesa Claire Nguyen.

Ninguém afirma com segurança que os formatos atuais de livro digital não terão o mesmo fim do VHS e do disco de vinil. Senti-me evidentemente um homem arcaico ao entoar internamente, amedrontado, o mantra “o papelismo é um humanismo”.

Como consumidor, aproveitei alguma promoção e ouvi diversos escritores independentes, que eram a maioria dos raros profissionais do ramo disponíveis e motivados, tentando ganhar reconhecimento (e quem sabe alguma venda). A eles a garotada, massa majoritária dos frequentadores, não dava muita atenção. Saí pensando que feiras que misturam profissionais e grande público são uma festa do grande público. Se servir de estímulo aos jovens leitores, isso não é mau.

O tipo de coisa que você não vai ver à porta da bienal paulistana.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s