Categorias
alegoria arte poesia

Poema: Último buquê

Minha prima Andrea pede poesia e ofereço esta revisitação à ponte:

Último buquê

Grande plano tinha concebido:

Uma ponte entre nossos jardins

Anunciei por altos clarins

O teu sim, semicorrespondido

Assumi do início tua ação:

Tua base não tinha concreto

E a tua parte do projeto

Para ver não tive concessão

buqueTudo pronto; colhi um buquê

E corri pelo novo caminho

Quando primeiro fiquei sozinho

Na outra margem vi o porquê

Tua casa estava vazia

E na terra morta apodrecia

Aquele último buquê.

One reply on “Poema: Último buquê”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s