Categorias
academia arte jogo

Dia 4 – Pop ou cult?

Feliz Semana Mundial do Brincar!

Hoje é meu aniversário e, descobri faz uns anos, Dia Mundial do Brincar. Vivemos uma cultura bastante ludificada, mas nem sempre a gente leva a brincadeira a sério.
O pensamento moderno visou uma racionalidade que acabou por matar um pouco o ser brincante em nós: a filosofia tem de ser grave, a arte tem de ser grandiosa, o capitalismo é uma guerra, a política é cruel. Poderíamos ter aprendido que argumentar é um jogo intersubjetivo, que um riso pode ser grandioso, que o trabalho pode ser uma disputa entre adversários, não inimigos, que viver na cidade deve ser uma colaboração entre amigos.
Escolhi estas poucas fotos para provocar sobre o estatuto cultural de algumas manifestações lúdicas.

“Civilization VI” ensina história ou é pretexto para a molecada brigar?

Quadrinho que precisa de nota de rodapé não é arte?

Jogo é para jogar ou para pôr na vitrine?

Faz sentido ser sommelier de refrigerante?

A pós-modernidade já popularizou conceitos como “tudo pode ser arte”, mas parece que ainda vivemos muitos preconceitos quando diferenciamos “pop” de “cult”, grande arte de artesanato ou design, música erudita de roquenrou.
É da essência das atividades divertidas questionar as rotas estabelecidas e errar um pouco.
Aqui encerro meus posts da semana do brincar. Vamos jogar juntos?

Categorias
academia queime minha língua

Dia 3 – Não é um blog, é um sítio

Feliz Semana Mundial do Brincar!

Certamente muita gente só está amadurecendo para a Internet nesta quarentena. Gente que achava que, no mar de informação, pouco importava onde se agarrar. De fato opiniões e ciência se confundem quando navegamos, dados importantes afundam no meio de propaganda e cantos de sereia que já cessaram de nos indignar. Por isso é importante saber onde aportar em busca de cultura, memória ou entretenimento. Felizmente, os serviços de checagem de noticiário têm trabalhado cada vez mais e o consumidor ajuda a cobrar que as grandes marcas não anunciem em veículos mentirosos, mas ainda estamos longe de ter um ambiente seguro se não soubermos onde estamos no turbilhão informacional.

Quando a Internet era mato, muitos investiam em criar castelos de informação. Sítios. Eu tive um “lote” em Atenas (a cidade de Geocities). Tudo isso não existe mais: o site de receitas não é mais um livro com páginas virtuais, mas um fórum em que os fãs fazem o trabalho do editor e a qualidade frequentemente é pior que profissional; o blog de ciência pode estar cheio de opinião, os veículos jornalísticos vendem anúncio para coisas suspeitas e as grandes marcas anunciam em páginas de fake news. É um solo viscoso. Com a ascensão das redes sociais e os buscadores embutidos, temos delegado a organização do noticiário e das fontes de pesquisa a algoritmos baseados em popularidade ou em nossa bolha de relações, o que empobrece nossa relação com o conhecimento.

Eu morava em geocities.com/Athens/Parthenon

Nos tempos de Geocities, eu achava que construiria um castelo sólido. Talvez, se desmoronasse, os Internet Archives da vida prometem guardar tudo o que existiu, não é?
Geocities acabou, Wayback Machine et al não guardam páginas desimportantes como várias daquelas que eu amava e hoje procuro rever sem sucesso. Stories simplesmente desaparecem; quero informação perene.

Essa deveria ser a introdução a meu blog velho, mas na verdade é o mais importante que tenho a dizer. Comecei em 2010 um informativo virtual, com uma visada que variava do acadêmico ao jornalístico, tratando temas que ampliavam de leve a abordagem que eu levara ao jornalismo cultural na Folha de S.Paulo, achando que formaria uma massa de fãs. Não. Mas serviu para guardar várias informações que eu mesmo acabei querendo consultar ao longo dos anos (“qual era mesmo o nome do filme/autor mesmo? Ah, fiz uma piada com isso no blog”). Serviu para anotar algumas de minhas referências favoritas. Filosofemas mal desenvolvidos não criam textos necessariamente perenes, mas vale a pena tentar transcender o efêmero. Passei a escrever para mim, sim, mas ainda querendo ajudar quem aportasse ali à deriva no mar da informação e seus tsunamis de interesses.
Com esta série de posts em meu aniversário, o blog ultrapassa 100 publicações. Espero que, quando eu tiver de largar esse serviço gratuito um dia, eu consiga guardar e levar alhures meu acervo sem muito dano.
Meu testemunho visa a convencer você, leitor, da importância dos sítios, em oposição às redes furadas (servem para descansar e outros fins, claro). Eu plantei em dez anos algumas palavras. Espero que os frutos do meu sítio sejam úteis para quem visita; eu mesmo já me servi deles várias vezes.
Por favor, avise quando encontrar links quebrados ;^D
Meu sítio (desde 2010):
https://alegoriadigital.wordpress.com

Sítios que o autor recomenda (tive de atualizar para escrever este post, hehehe)
https://alegoriadigital.wordpress.com/sitios-que-o-autor-recomenda/

Categorias
alegoria arte cinema queime minha língua

Semana do brincar – dia 2

Feliz Semana Mundial do Brincar!

Dia 2 – Mostre e conte

No dia 28 de maio eu e amigos da Rede Brasileira de Estudos Lúdicos teremos o lançamento do número 2 da Revista de Estudos Lúdicos. Resolvemos mostrar um pouco de nossas influências lúdicas e editoriais.
Será um breve momento de mostrar alguns artefatos diante da câmera enquanto não podemos dividir o mundo lá fora com os amigos. Não chega a ser como aqueles desafios de mostrar 10 capas de disco ou indicar 7 filmes, é coisa mais singela, live de Facebook (https://www.facebook.com/rebeludicos/).

De certa forma, esta curta série de posts na semana do brincar é uma resposta a esses desafios: em vez de 10 discos, estou a fazer um punhado de apanhados… e hoje quero mostrar algo que, espero, compense um pouco minha falta de participação em tais desafios.
Então lá vão algumas listas curtas de coisas que me passaram pela cabeça. Sem explicações nem legendas (a não ser que você siga o atalho e leia o texto correspondente), mas uma advertência: nem sempre falar dessas coisas é querer que você goste delas!

6 filmes
Carrie, a Estranha
O Enigma de Kaspar Hauser
Tóquio em Decadência
Platoon
O Sétimo Selo
Os Irmãos Witman
(https://alegoriadigital.wordpress.com/2011/04/21/lista-3-3-filmes/)

3 refrigerantes
Guaraná Jesus (tudo bem, eu também não curto muito)
Mineirinho
Abacatinho
(https://alegoriadigital.wordpress.com/2013/04/16/triarquia-dos-refrigerantes-perdidos/)

Categorias
arte jogo livro poesia

Semana do brincar – dia 1

[publicado originalmente no Facebook]

Feliz Semana Mundial do Brincar!

Nasci no dia 28 de maio, que seria depois convencionado, pela Associação Internacional de Ludotecas, Dia Mundial do Brincar. É um pretexto para comemorar ludicamente. E vou fazer isso compartilhando com os amigos um pouco de minha história, querendo com isso certamente ganhar o presente de sua leitura ou colaboração em meus… nossos projetos!


Dia 1 – Como vendedor, sou um ótimo escritor

Você gosta de poesia? Muita gente já me disse que poeta tem obrigação de ficar em rua de “balada cult” para vender sua arte. Muito racional, já tentei alguma vez deixar a namorada na fila do cinema cabeça e sair perguntando quem quer comprar literatura. O público-alvo para minha arte pretensiosa deve ser esse mesmo: quem faz fila para pagar caro por entretenimento alternativo num teatro com nome de banco. Mas minha atitude nunca rendeu muito dinheiro (não ouse dizer que a culpa é dos versos mal metrificados).

Minhas alegorias já estiveram em algumas das melhores livrarias, mas agora é mais fácil procurar na Estante Virtual ou na minha lojinha do Mercado Livre:

Caprichos de dores (1998) – https://produto.mercadolivre.com.br/MLB-1534040327-livro-caprichos-de-dores-de-ernane-guimares-neto-_JM?quantity=1

Gênese harmoniosa (2008) – https://produto.mercadolivre.com.br/MLB-1534033904-livro-gnese-harmoniosa-de-ernane-guimares-neto-_JM?quantity=1

(sim, o cara anunciou que você pode pedir uma dedicatória do autor, pode acreditar que é legítimo)

Se quiser, existem algumas leituras gravadas (fiz pro festival on-line Poemália.Língua, em 2008). Esta lista tem seis alegorias de Caprichos de dores:

Pode me chamar para seu sarau, a vergonha é pouca.
(taí um slogan)
Se leu até aqui, você provavelmente lê mais do que a média… feliz Dia do Orgulho Nerd!

Categorias
academia arte jogo

Coisas bacanas em 2019

Uma pequena coleção de imagens do ano para mim.

O Purposyum, projeto de jogo colaborativo iniciado em 2018 com alunos da ETEC Parque da Juventude, foi testado (na foto, uma partida no SESC Guarulhos) e desenvolvido como produto!

A Rede Brasileira de Estudos Lúdicos proporcionou os melhores jogos com as melhores companhias. Nem vou falar do FAEL, senão vai longe.

As hortas no Centro Cultural São Paulo e em casa renderam frutos e encontros.

Os alunos da Méliès produziram jogos legais, como era esperado.

 

 

Categorias
Uncategorized

Clipping sobre o VI FAEL

Espero que este sítio sirva às pessoas que aqui chegam pelos mecanismos de busca… a mim tem servido muito bem como repositório. Por isso, guardo aqui algumas menções ao VI Fórum Acadêmico de Estudos Lúdicos, meu grande orgulho de 2019!

 

São Paulo Play Week e uma epistemologia do brincar

(Podplay podcast)

 Neste primeiro programa, discutimos a São Paulo Play Week, grande evento (entre 28/11 – 08/12) que ocorre em São Paulo, em parceria com a rede mundial Games for Change na América Latina. Serão mais de 20 atividades espalhadas para públicos distintos interessados na era lúdica, com eventos para escolas, universidades, fórum acadêmicos, jogos para Pets, lançamentos e concurso de jogos, diversos workshops, etc.

Para o primeiro programa, trabalhamos com quatro convidados: Prof. Ciro Inácio Marcondes (Universidade Católica de Brasília) – É professor, crítico e pesquisador de Histórias em Quadrinhos e Cinema. Professor no curso de Comunicação e no Mestrado Profissional Inovação em Comunicação e Economia Criativa da Universidade Católica de Brasília. É o editor do site http://www.raiolaser.net, especializado em crítica de Histórias em Quadrinhos. Nosso host! Hoje vai apenas apresentar e nortear a discussão. Prof. Gilson Schwartz – Professor Livre-Docente do Departamento de Cinema, Rádio e TV da Escola de Comunicações e Artes e do Programa Interdisciplinar “Humanidades, Direitos e Outras Legitimidades” do Núcleo de Pesquisa Diversitas da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP, Criador e Coordenador do grupo de pesquisa “Cidade do Conhecimento” desde 1999. Um dos maiores especialistas em Economia Criativa do Brasil. Prof. Ernane Guimarães Neto é presidente da Rede Brasileira de Estudos Lúdicos, professor na Faculdade Méliès e autor de “Narrativas e Personagens para Jogos” (ed. Érica, 2014). Profa. Florence Dravet é formada em Letras pela universidade Paul Valéry em Montpellier na França. Fez Mestrado e Doutorado em Ciências da Linguagem na Universidade de Paris 3 Sorbonne Nouvelle na França. Atualmente, é professora da Universidade Católica de Brasília onde coordena o Mestrado Profissional Inovação em Comunicação e Economia Criativa. Concentra suas pesquisas nos estudos do Imaginário, da Transdisciplinaridade e da Complexidade

 

Silvia Rodrigues aluna do 2º semestre GNI manhã da Fatec Sebrae apresenta artigo na USP

3 de dezembro de 2019

Parabéns a Silvia Rodrigues aluna do 2º semestre GNI manhã da Fatec Sebrae pela apresentação do excelente artigo: ” Os Jogos como construções psicoculturais” no VI FAEL – Fórum de Estudos Lúdicos.

 

Silvia Rodrigues aluna do 2º semestre GNI manhã da Fatec Sebrae apresenta artigo na USP

 

São Paulo Play Week, um jeito de mudar o mundo brincando

https://noticias.r7.com/educacao/sao-paulo-play-week-um-jeito-de-mudar-o-mundo-brincando-28112019

Um convite a criação de jogos de impacto social, essa é a principal proposta da São Paulo Play Week, evento que ocorre na Universidade de São Paulo a partir desta quinta-feira (28) até o dia 8 de dezembro. A programação completa está disponível no site.

A partir do tema Acessibilidade, Diversidade e Justiça estudantes, jovens e todos os interessados são convidados a criar games, jogos e brincadeiras que possam ser usados como meio de transformação social.

O evento é organizado pela rede mundial “Games for Change” na América Latina em parceria com a Etec Parque da Juventude, e com a coordenação do grupo de pesquisa Cidade do Conhecimento da USP. Também conta com o apoio da Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência de São Paulo.

Professor Gilson Schwartz, o organizador do evento

Professor Gilson Schwartz, o organizador do evento

Divulgação

“O ponto de partida foi um Prêmio concedido pela ONU (Organização das Nações Unidas), em uma campanha que promovia a Educação para a Justiça”, explica Gilson Schwartz, professor do Departamento de Cinema, Rádio e TV da Escola de Comunicações e Artes e coordenador do grupo de pesquisa Cidade do Conhecimento da USP, responsável pela realização da São Paulo Play Week.

“Em tempos de violência e intolerância, o jogo é um caminho para discutir com os jovens assuntos que muitas vezes são considerados ‘caretas’ e os games também celebram a interação e a criatividade”, avalia o professor.

Junto com os estudantes da Etec do Parque da Juventude foi criado o jogo não-digital “Purposyum, Challengers of Justice”. A ideia é resgatar os jogos de tabuleiro ou de cartas, que são acessíveis a todos — não precisa de uma conexão de internet, por exemplo — e podem ser jogados em grupo. O “Purposyum, Challengers of Justice”, desenvolvido pelo grupo, foi um dos dez projetos selecionados pela ONU. “Foi um ano de trabalho para discutir a questão da justiça e refletir sobre o tema.”

Neste jogo de cartas que será lançado no evento, só existe um vencedor se todos ganharem. Uma alusão de que a Justiça é para todos.

São Paulo Play Week

Durante os 10 dias, serão realizadas palestras, oficinas, vivências, game jams (maratona de criação de brinquedos e de games digitais ou analógicos), minicursos e sessões de pitching voltadas à criação de jogos, games ou brinquedos, entre outras atividades.

“Os jovens terão a oportunidade de participar de uma palestra e depois colocar a mão na massa para desenvolver um game em uma oficina”, explica Schwartz.

A aceleradora de startups nova-iorquina ‘Games for Change (G4C) Accelerator’, com uma comissão julgadora formada por especialistas em mercado de games, participará do evento para seleção e avaliação de projetos.

Aberta para o público em geral, a São Paulo Play Week é voltada especialmente a estudantes do Ensino Médio, Técnico, Superior e aprendizes em projetos do Terceiro Setor, assim como seus professores, mentores e mediadores culturais.

 

ECA recebe o VI Fórum Acadêmico de Estudos Lúdicos

https://www3.eca.usp.br/eventos/eca-recebe-o-vi-f-rum-acad-mico-de-estudos-l-dicos

Evento tem como objetivo o estudo da ludicidade aplicada à educação, de maneira transdisciplinar

Brincar também é uma forma de aprender uma infinidade de coisas. É a partir dessa premissa que o VI Fórum Acadêmico de Estudos Lúdicos (FAEL) realizará um encontro entre os dias 28 e 30 de novembro, no Departamento de Cinema, Rádio e Televisão (CTR).

O FAEL é promovido pela Rede Brasileira de Estudos Lúdicos (REBEL) e é um encontro aberto aos interessados no lúdico como trabalho e cultura. Promove a troca de experiências de desenvolvimento, pesquisa e mercado. O FAEL inclui o Concurso Rebeldias, com exposição de brinquedos, quadrinhos, jogos de sociedade e jogos digitais, bem como apresentações artísticas e oficinas. Além disso, conta com sessões técnicas, oficinas e muitas outras atividades científicas, culturais e de negócios relacionadas ao lúdico.

Para participar é necessário realizar a pré-inscrição neste link, até o dia 26 de novembro. No mesmo endereço é possível conferir a programação completa.

O evento é gratuito e tem coordenação dos professores Gilson Schwartz (CTR) e Ernane Guimarães.

 

“São Paulo Play Week”, que começa dia 28, terá Fórum Acadêmico de Estudos Lúdicos

Por admin | novembro 18, 2019 | Eventos, games, Valor Agregado

“São Paulo Play Week”, que começa dia 28, terá Fórum Acadêmico de Estudos Lúdicos

Um dos principais destaques da “São Paulo Play Week”, maior evento brasileiro voltado à criação de games, jogos e brinquedos de impactos social e pessoal transformadores, que será realizada de 28 de novembro a 8 de dezembro, no Campus Butantã da Universidade de São Paulo USP), será o 6º Fórum Acadêmico de Estudos Lúdicos (FAEL), que acontece nos dias 28, 29 e 30.

Organizado pela Rede Brasileira de Estudos Lúdicos (REBEL), o fórum trará a apresentação de trabalhos acadêmicos na área de jogos digitais e sociais, ficção, entretenimento e humor. Além disso, haverá uma exposição de produtos lúdicos selecionados pela comissão organizadora.

“Será um encontro aberto aos interessados no lúdico como trabalho e cultura, onde promovemos a troca de experiência de desenvolvimento, pesquisa e mercado”, explica Ernane Guimarães Neto, presidente da REBEL, criada em 2016, sem fins lucrativos, justamente com o objetivo de fomentar o debate, ampliar o conhecimento, qualificar a produção de jogos e prestigiar os profissionais dessa área transdisciplinar e colaborativa.

Prorrogado prazo para submissão de trabalhos para Fórum Acadêmico de Estudos Lúdicos

https://ufop.br/noticias/oportunidade/prorrogado-prazo-para-submissao-de-trabalhos-para-forum-academico-de-estudos

Criado por Iris Ventura em ter, 10/09/2019

O Fórum Acadêmico de Estudos Lúdicos (Fael) é um evento anual que reúne pesquisadores, alunos e profissionais em oficinas, palestras interdisciplinares, exposições de jogos e brinquedos, torneios e outras atividades.

Como parte do Fael, o Concurso Rebeldia é um espaço para divulgação, exposição e teste de produtos lúdicos voltados para produções acadêmicas, da indústria, ou mesmo iniciativas independentes, nas modalidades: brinquedos, histórias em quadrinhos, jogos digitais e jogos de sociedade. As melhores criações de cada categoria recebem prêmios.

Pesquisadores de todos os níveis e criadores de jogos e outras manifestações lúdicas podem submeter seus trabalhos até 30 de setembro, gratuitamente, pelo site da Rede Brasileira de Estudos Lúdicos (Rebel).

Os trabalhos selecionados serão apresentados no VI Fael, que acontece de 28 a 30 de novembro de 2019, no Departamento de Cinema, Rádio e Televisão da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo.

O edital completo e outras informações estão disponíveis no site da Rebel.

 

 

Fórum Acadêmico de Estudos Lúdicos abre edital para o VI FAEL

Fórum Acadêmico de Estudos Lúdicos abre edital para o VI FAEL

09/08/2019 Luiz Silva