Sonho de professor

Não creio que dizer “sonhei com meus alunos” seja revelar demais da psique de qualquer professor com centenas de alunos e dezenas de horas-aula por semana. O que me chamou a atenção num sonho recente foi o formato de filme de sessão da tarde.

O clichê estava em formar, de um amálgama de meus alunos de Jogos Digitais e Comunicação, um time de futebol (ou algo do gênero, lembra-me a confusa narrativa onírica). Primeiro, o diálogo com alguns de uma multidão de alunos em graus muito diferentes de interesse e preparo mostrou as dificuldades que o profissional encontra diante do novo desafio. Uma fantasia que apareceu neste caso foi poder selecionar os integrantes de meu time. A história prosseguiu com naturalidade para o videoclipe. Imaginemos que a edição acrescentará uma música entre leve e empolgante: o professor pode recusar alunos, porém conversa com alguns “casos perdidos” e os motiva a persistir; a aluna dedicada já está selecionada, mas precisa de uma advertência, pois neste time não vai ter moleza; vários são vistos numa sequência de exercícios físicos, preparando-se para algo que não era esperado: o sucesso.

Lembrar esse sonho em meio a uma série de avaliações escolares, em que os alunos apresentam pesquisas, produzem jogos, realizam provas, fez-me pensar no estereotípico estilo cinematográfico do “filme de professor”. Alguns espectadores aceitam bem a fórmula do profissional que vence, com esforço persistente, o desafio (eu costumo cair nessa, pois persistência faz sentido). Outros podem questionar uma tendência, nessa fórmula, a desprestigiar a própria classe do professor, ao glorificar a irreverência ou qualquer método pouco usual de ensino como solução do problema.

the-red-line-freedom-writ21

Imagem de “Escritores da Liberdade” (2007), protagonizado por Hilary Swank.

Existe evidentemente uma grande diferença entre o ridículo de um filme para a matinê em família e abordagens mais adultas ao tema, como Entre os muros da escola e A Onda. Mesmo assim, várias obras influentes sofrem bastante nos textos dos críticos justamente pelo tom adotado (penso em casos como Sociedade dos Poetas Mortos ou, mais recentemente, Escritores da Liberdade).

Apesar dos casos bizarros e do exagero trágico de algumas obras, filmes sobre mestres e estudantes ajudam o professor a pensar em maneiras de motivar e pôr num bom nível sua multidão de alunos em graus muito diferentes de interesse e preparo. Entretanto uma parte mais numerosa dos espectadores também precisa ajudar: os alunos.

 

Anúncios

~ por alegorista em 2014/03/28.

5 Respostas to “Sonho de professor”

  1. Muito bom texto.

  2. gostei da frase: Muitos alunos em graus diferentes de interesse e preparo. É a realidade de uma sala de aula, desde a pré escola até a Universidade!

  3. Não adianta muito ter a visão de querer mudar o mundo e etender a todos os alunos de forma igual… Alguns simplesmente não acompanham por não estarem a fim ou mesmo por ter dificuldade. O importante é tentar fazer a diferença e perceber que seu trabalho está valendo a pena em alguns resultados obtidos pelos alunos.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: