Categorias
academia arte cinema jogo

Lista: o que os leitores queriam

O ano passado foi para valer neste blog. Muito obrigado a quem leu e voltou.

Segundo as estatísticas do WordPress, estas são as três palavras que, usadas em mecanismos de busca, mais renderam cliques para este blog em 2011:

Escher

Yggdrasil

Platoon

Revisito então os assuntos mais populares do ano. Quem sabe a visitação não se multiplica?

3. Platoon

Falei dele em minha lista de filmes favoritos.

O acalanto da amizade ou puro torpor?
Eu disse "baseado em", não "semelhante a".

Se eu soubesse desenhar como o M. C. Escher, provavelmente teria feito muito mais histórias em quadrinhos.

Mas desenhei, com a maior dedicação artística que meus 14 ou 15 anos permitiam, uma série séria, que tinha como coadjuvante Toni, claramente baseado na personagem de Willem Dafoe: durão, mas amigável (como se vê na cena da “festinha” do longa-metragem).

Para quem quiser aprofundar a experiência do filme, recomendo o disco de metal industrial The land of rape and honey, do Ministry, que se vale de samples de Platoon. Especialmente a faixa “Flashback“.

2. Yggdrasil

Usei uma imagem representando essa árvore mitológica quando brinquei de classificar a Internet.

Era somente uma ilustração para a árvore metafórica que eu construía com Filosofia, Ciência e Arte. Creio que haja alguma pertinência, pois as “árvores da vida” que conhecemos na mitologia são uma típica metáfora da organização do mundo. É claro que, se eu fosse Escher, teria feito o desenho eu mesmo.

Na mitologia nórdica, Yggdrasil é a árvore que liga os diversos planos da existência. Não é coincidência que um dos meus objetos de estudo atualmente, o jogo Final Fantasy VII, contenha localidades como “Midgar” e “Nibelheim”, correspondendo aos mundos Midgard e Niflheim.

Para quem quiser aprofundar as raízes nórdicas, um “metal viquingue” dá conta do recado: a faixa Yggdrasil, da banda Enslaved, tem todo o clima.

1. Escher

Meu campeão de audiência foi tema de exposição em São Paulo.

É popular, é brincalhão, faz a gente “viajar” em suas ilusões.

"Mãos em desenho" (1948)

Para quem quiser aprofundar o jogo visual escheriano, recomendo qualquer disco da Yin Yang Records. Não conheço muito a música eletrônica que eles publicam, mas suas bolachas vêm com o “tal do desenho” impresso para você ver girando.

Se você tem vitrola.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s